complicações, Sintomas

MEU AMIGO DIABÉTICO DO BAR

Raí é um rapaz que tem um bar na esquina da minha rua. Quando me mudei, pedi para ele guardar minhas insulinas até que a geladeira fosse instalada. Quando viu a caixinha de isopor ele me disse:

– Você é diabética? Eu também sou.

Perguntei como ele estava e ele disse que tudo bem. Volta e meia, quando nos cruzamos eu pergunto se ele está sob controle. Ele sempre dizia que sim. Na quinta-feira passada, meu marido foi comprar refrigerante no bar e notando que ele estava abatido perguntou se estava tudo bem. Ele disse que o açúcar devia estar alto pois sentia muita dor de cabeça, cansaço, sede e muita fome.
No dia seguinte vi que ele realmente parecia mal. Perguntei se foi ao médico e ele disse que não. Perguntei se ele sabia quanto estava seu açúcar. Ele não sabia. Rapidamente saquei o monitor e pedi que lavasse a mão. Acho que nem pedi para fazer o teste. Fui logo fazendo. Ele concordou. Parecia preocupado.

Depois de poucos segundo, o resultado em duas letras: HI. Na minha ignorância, como não lembro de ter visto isso no meu visor, pensei que pudesse ser HIPO ou HIPER. Disse que consultaria o manual. E era HIPER mesmo, acima de 350 provavelmente. Alertei que ele precisava ir urgentemente ao médico e ele prometeu ir. Era hora do almoço e o bar estava cheio de gente.

Saí para a fisioterapia e quando voltei passei no bar. Ele tinha acabado de almoçar e estava cochilando sentado na mesa do bar. Ainda parecia mal e eu fiz o que jamais imaginei que tivesse coragem de fazer: ofereci para levá-lo ao hospital. Era sexta-feira e provavelmente, sem atendimento médico, ficaria dois dias ou mais com níveis elevadíssimos de açúcar no sangue. Risco de enfarte, coma, amputação, cegueira…imaginei o pior e não pude ficar sem fazer nada.

Ele concordou e deixei ele no UPA – Unidade de Pronto Atendimento mais perto. Voltei pra casa, cuidei da minha vida e mais tarde liguei para ele. Raí disse que no hospital o monitor marcou 544. O médico deu insulina e soro e depois de um tempo foi para 522. Ele precisou tomar medicação na veia e estava esperando voltar a faixas suportáveis.

Acho que ele precisava se assustar mesmo. Perguntei pra ele no caminho até o UPA:

– Você tem filho?
– Tenho.
– Você quer morrer?

Ele respondeu que não. Então eu disse:

– Então você precisa se cuidar. Pra ver ela crescer, para não perder nenhum orgão e ficar dependente dos outros, pra continuar a trabalhar no bar que tanto gosta. Precisa se cuidar para continuar vivendo.

À noite, ainda na mesma sexta-feira, ele já estava de volta ao bar. Meio assustado, meio aliviado, meio com vontade de melhorar. Eu estou aqui do lado dele para ajudá-lo.

Alguém tem uma história semelhante para contar. Vamos lá?

Beijos

Advertisements

3 thoughts on “MEU AMIGO DIABÉTICO DO BAR”

  1. Oi amiga!

    Nossa, ficou muito bom o visual do blog, bem melhor que antes! Parabéns! O conteúdo, excelente como sempre!

    Muito bacana a história que contou. Eu ainda não tenho nenhuma pra contar, mas partilho com você a alegria de ter visto mais este exemplo aqui no seu blog.

    Abração!

    Like

  2. Sheiloca,
    amei sua atenção ao proximo é isso ai não ficarmos a quem…
    No final do ano passei por uma experiencia parecida, reencontrei o 1o marido da minha mae, em dezembro ele nos liga falando que nao estava bem, ele é diabetico e budista. Estava na cama, sem forças para levantar.
    Minha mae foi ate ele chegando la ela viu a situação e me ligou fui ate la levei o aparelho de glicemia pois ele nao fazia monitoramento (nenhum acompanhamento!)
    Tb deu high que é acima de 500 chamamos o SAMU e eles o levaram para a UPA. La detectaram mais de 500 de glicose e uma fissura no pe.
    A medica pediu que a ferida nao abrisse e ela abriu.
    Resumindo ele ficou internado quase amputou o pe teve que fazer uma retirada de material, ficou em coma induzido apos a cirurgia quase foi pois nao fazia q.q controle glicemico ou remedio somente orava para Buda.
    Felizmente agora esta em casa dei um aparelho de glicemia e ele faz o controle e toma glifage nao é insulino denpendente.
    Conclusao temos que estar ATENTOS nao vacilar nos cuidar!!

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s